Bolsonaro defende absolvição de militares que matarem durante o serviço

POSTURA


agencia-brasil-jair-bolsonaro-1500-30062021082206186_93afc0c22a86fede318968.jpeg

O presidente Jair Bolsonaro defendeu, nesta quinta-feira (25), a regulamentação do excludente de ilicitude, um mecanismo que isenta policiais e militares das Forças Armadas de serem punidos no caso de matarem em serviço. Na avaliação do presidente, a medida pode reduzir os índices de violência no país. Segundo o presidente, se a proposta for aprovada pelo Congresso Nacional um dia, ele próprio sairá às ruas para combater a criminalidade.

“Cada vez mais nós temos gente da segurança ocupando o Legislativo. E eles, em grande parte, sabem o que é enfrentar o crime. Sabem da necessidade que nós temos. Um dia, vai ser muito difícil, [aprovar] o excludente de ilicitude. Não pode o policial terminar uma missão e no dia seguinte receber visita do oficial de Justiça. Se a gente aprovar isso um dia, se o [ministro da Defesa] Braga Netto me autorizar, eu boto a farda e vou à luta”, afirmou Bolsonaro, durante uma solenidade no Ministério da Justiça e Segurança Pública.

 

Fonte: Toda Bahia